24/03/2010 às 11h46min - Atualizada em 24/03/2010 às 11h46min

Ladeira dos Tabajaras: grupo faz protesto contra prisão de morador, e 15 pessoas acabam detidas

foto: Celso Meira

Inconformados com a prisão de um homem, moradores da Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, Zona Sul, fecharam a Rua Tonelero, na noite desta terça-feira. Os moradores desceram a comunidade em protesto contra uma ação de policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) e quebraram lixeiras públicas e orelhões. Segundo a polícia, 15 pessoas foram detidas, mas liberadas durante a madrugada.
Os policiais faziam patrulhamento de rotina por volta das 22h30m, quando desconfiaram de três homens na comunidade. Um dos suspeitos fugiu, e os outros dois reagiram à abordagem. Gilson da Silva Júnior, de 21 anos, foi detido. De acordo com a polícia, ele já havia sido abordado na noite anterior, mas foi liberado. Ao ser detido pelos PMs pela segunda noite consecutiva, se recusou a deixar-se revistar. Ele foi autuado por desacato e levado para a delegacia. Segundo a policial militar Rosana Alves, capitã da UPP da Ladeira dos Tabajaras, ele tentou pegar a arma de um dos policiais.
Alguns tiros foram disparados durante a luta corporal, mas ninguém foi baleado. Um PM ficou ferido durante a confusão. De acordo com a polícia, o outro homem também foi levado para a delegacia para prestar depoimento.
Revoltados, os moradores saíram em defesa de Gilson. Eles quebraram lixeiras públicas e espalharam lixo pela Rua Tonelero. Para dispersar o tumulto, os policiais fizeram disparos para alto. Os manifestantes, então, seguiram para a 12ª DP (Copacabana), na Rua Hilário de Gouveia, onde continuaram o protesto em frente à delegacia. Quinze pessoas foram detidas. Segundo o delegado Antenor Martins Júnior, três tinham antecedentes criminais. Todas as pessoas foram liberadas após prestarem depoimento.
Ainda de acordo com o delegado, Gilson será encaminhado à exame de corpo de delito, assim como o policial militar que o prendeu. O delegado também criticou a ação dos manifestantes.
- A forma de protestar não é desta maneira. Se os moradores querem denunciar, devem procurar a delegacia. Todos serão ouvidos, e as denúncias encaminhadas ao Ministério Público - afirmou.
A polícia vem agindo na favela desde o dia 26 de dezembro, quando começou a ocupação para a implantação da UPP.

 

fonte: oglobo.com


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »