16/03/2010 às 11h47min - Atualizada em 16/03/2010 às 11h47min

Médicos pedem vacina para todos

Entidades ressaltam importância de imunizar crianças contra a gripe A, mas secretaria ainda descarta compra de doses extras

Toda a população do Paraná deveria ser vacinada contra a gripe A (H1N1), a gripe suína, e não somente os grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. Esse é o posicionamento da classe médica do estado, cujos dirigentes se reuniram ontem em Curitiba para definir estratégias comuns ao enfrentamento da doença e reforçar a importância da vacinação. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, seria importante que principalmente as crianças em idade escolar recebessem a vacina na rede pública.

O Ministério da Saúde, porém, mantém a posição de que não está prevista até o momento a ampliação dos grupos prioritários. A meta é vacinar pelo menos 72 milhões de brasileiros em todo o país, o que representa 80% do público-alvo, de 91 milhões de pessoas. Se houver alterações na situação epidemiológica e disponibilidade da vacina, outros grupos poderão ser vacinados, diz o ministério. “Não é possível afirmar se haverá ‘sobras’ da vacina, uma vez que estamos na primeira das cinco etapas de vacinação”, afirma a assessoria de imprensa do ministério.
Uma possibilidade para o Paraná seria comprar mais doses, mas o secretário de Estado da saúde, Gilberto Martin, descarta a opção. Segundo o secretário, a coordenação do processo de vacinação é do ministério e a compra de vacinas pelo governo do Paraná poderia caracterizar quebra de protocolo. Nos bastidores, porém, o governo estadual continua a mobilização para que haja a am­­pliação da cobertura vacinal. A maneira encontrada é embasar de forma sólida o pedido, com o má­­ximo de informações técnicas.

A classe médica, por outro la­­do, afirma que vai procurar se­­na­­dores e deputados federais para a mobilização. “Nossa reivindicação é que haja trabalho político para que toda a população possa ser assistida”, afirma o presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná, Miguel Hanna So­­brinho. Segundo o presidente da Associação Médica do Paraná, José Fernando Macedo, a preocupação é maior com as pessoas mais pobres. Doses da vacina contra a nova gripe devem estar disponíveis em abril na rede privada, a um custo entre R$ 50 e R$ 60.

Importância

Para a classe médica, a vacina é o ú­­nico instrumento que pode in­­ter­­rom­­per a transmissão da doença, sen­­do mais barata e efetiva do que a medicação. Entidades médicas tam­­bém devem divulgar “ur­­gen­­te­­mente” um documento sobre a se­­gurança e efetividade da va­­cina. “Um dos momentos mais delicados e difíceis é o processo de va­­ci­­na­­ção”, diz Martin, referindo-se ao de­­sencontro de informações, aos boa­­tos, ao grande número de pes­­soas a ser imunizadas e ao fato de es­­sa campanha ser diferente de qual­­quer outro processo de vacina­­ção. Cinco milhões de pessoas no Pa­­raná devem ser vacinadas – metade da população do estado.

A Sociedade Paranaense de Pediatria pediu atenção especial às crianças, que não serão vacinadas. Fazem parte dos grupos prioritários crianças de seis meses a até dois anos. As entidades médicas também reforçaram as orientações de prevenção da gripe suína, como lavar as mãos com água e sabão, manter os ambientes arejados e evitar tocar a boca, os olhos e o nariz.

Fonte: Gazeta do Povo

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »