12/04/2017 às 14h58min - Atualizada em 12/04/2017 às 14h58min

Casal é preso suspeito de manter crianças em cárcere privado, diz polícia

http://g1.globo.com

Um casal foi preso por suspeita de manter duas crianças em cárcere privado. Policiais civis de Imbituba, na região central do Paraná, descobriram o local na terça-feira (11). A situação já tinha sido denunciada havia cinco anos, informou a polícia, que diz estar acompanhando o caso há ao menos dois anos.

Segundo os investigadores, os dois meninos, de nove e 11 anos, eram obrigados a ficar trancados em uma edícula separada da casa onde vivem com o pai e a madrasta. O local, com grades na janela, não tem lâmpadas e por isso as crianças ficam no escuro à noite.

Além disso, o botão que regula a temperatura do chuveiro era colado para que eles não pudessem tomar banho quente. Os dois também eram obrigados a lavar a própria roupa e limpar o espaço.

Apesar de não terem marcas de agressão, os meninos disseram à polícia que apanhavam caso desobedecessem ou tirassem notas baixas na escola.

O mandado de prisão contra o casal foi expedido pela Justiça na terça. E, se confirmada a situação de cárcere privado, ambos podem ser condenados a uma pena de três a oito anos de prisão.

“As crianças só foram tiradas desta situação de violência em que se encontravam em decorrência de o Conselho Tutelar ter recebido denúncia. É importante que a sociedade fique alerta e, quando tomar conhecimento de situação suspeita, que denuncie”, observou o conselheiro tutelar Jean Dilon.

Os dois meninos estão bem e se recusaram a ir para a casa de familiares. Portanto, devem permanecer em um abrigo de Imbituva.

Os advogados do casal disseram que o caso não é grave e envolve apenas cuidados por parte dos pais.

“Eles negam a gravidade destes fatos, da forma que está sendo colocado. Relatam que tinham uma rotina com as crianças, que iam para a escola e tinham uma alimentação normal. Há um certo exagero. Acreditam que com as investigações tudo vai ser esclarecido”, comentou Fernando Estevão Deneka.


Link
Notícias Relacionadas »