29/07/2015 às 23h06min - Atualizada em 29/07/2015 às 23h06min

Imagens de um feito: há 80 anos, o trem chegava em Londrina

http://www.jornaldelondrina.com.br/

Faz exatamente 80 anos que aconteceu. Perto das 15h do dia 28 de julho de 1935, o povo fez festa para a chegada da primeira locomotiva na Estação Férrea de Londrina – um casebre de madeira instalado onde hoje é o piso inferior do Terminal Urbano de Londrina.

O feito, como mostrou o Jornal de Londrina, mudou a história de Londrina e do Norte do Paraná.

Com as locomotivas Baldwin construídas em Nova Iorque vieram milhares de compradores de terras, trabalhadores, mercadorias e as novas cidades não pararam de surgir ao longo da linha, até Maringá.

Fazer o trem chegar a Londrina não foi tarefa simples para a Companhia de Terras do Norte do Paraná (CTNP). Antes, era preciso erguer uma ponte sobre o perigoso Rio Tibagi, esticando a linha de Jataizinho – que entre 1932 e 1935 era a estação “final” – até o povoado que não tinha mais que 600 habitantes.

Em Londrina, as últimas viagens de trem foram em 1982, quando o ex-prefeito Antônio Belinati finalizou a retirada da linha que “cortava a cidade ao meio”.

Pesquisador do tema, o museólogo Niger Marena, hoje responsável pelo Museu de Geologia e Paleontologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), refez a narrativa daquele dia: “Os curiosos do povoado de Londrina vão se reunindo em torno da primeira estaçãozinha... as primeiras horas da manhã são frustrantes. Ele começa a deixar a Estação de Jataizinho por volta das 11h daquela manhã. Vem devagar para que as autoridades e convidados possam observar em “detalhes” a ponte sobre o Rio Tibagi. Quando todos já se encontram desapontados eis que ouvem um apito!!! É elaaaaa! ... A Baldwin 1910 fabricada em Nova York anunciando sua chegada, finalmente desponta trazendo as bandeiras nacional do Brasil e da Inglaterra. Fogos pipocam! Finalmente ela chegou...”

JL selecionou algumas imagens históricas daquele 28 de julho, cedidas pelo Museu Histórico Padre Carlos Weiss e também pelo arquivo familiar do comerciante londrinense Claudio Luza, cujo pai – Antônio Cristiano Luza – foi ferroviário por 35 anos aqui na região.

 

E você? Tem memórias das viagens de trem entre Londrina e São Paulo ou outras cidades? Queremos conhecê-las!


Link
Notícias Relacionadas »