03/07/2014 às 17h33min - Atualizada em 03/07/2014 às 17h33min

Quadrilha que pretendia faturar milhões com venda ilegal de ingressos para a Copa envolve FIFA, CBF e outros

http://www.revoltabrasil.com.br/

Um esquema ilegal de venda de ingressos nesta Copa do Mundo que faturava até R$ 1 milhão por jogo foi desvendado com a prisão de 11 suspeitos no Rio de Janeiro e em São Paulo. De acordo com a reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”, a Polícia Civil e o Ministério Público do Rio suspeitam da participação de membros da CBF, Fifa e federações de futebol da Argentina e Espanha.

A quadrilha era liderada pelo argelino Mohamadou Lamine Fofana, de 57 anos, e vinha sendo investigada havia três meses. A Polícia chegou a interceptar ligações do líder para a Granja Comary, local de concentração da seleção brasileira. “Suspeitamos que alguém que alguém repassasse a ele os bilhetes depois da desistência dos jogadores. Estamos apurando”, disse o promotor Marcos Kac, ao jornal.

Segundo a apuração, o esquema de venda de ingressos acontece desde 2002. Por meio de escutas telefônicas e filmagens, descobriu-se que a quadrilha usou empresas como fachada para obter os bilhetes de diferentes formas para revendê-los por mil euros (R$ 3 mil). As entradas poderiam ser destinadas à CBF e federações de Argentina e Espanha.

O esquema teria até ligação direta com a Fifa. A entidade distribuiu 700 ingressos para cada federação cuja seleção está em campo. A CBF recebeu uma carga de 30 mil por ser sede da Copa do Mundo.

Lamine passava horas no telefone com a Fifa. O argelino usava um carro com credencial da entidade, tinha contato com jogadores e ex-jogadores de diferentes países. A polícia estima que eles pretendiam faturar R$ 200 milhões neste Mundial.

A reportagem da Folha procurou as entidades envolvidas, mas não conseguiu retorno. Os 11 presos da quadrilha podem pegar até 18 anos de prisão.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »