22/05/2013 às 09h07min - Atualizada em 22/05/2013 às 09h07min

Agências bancárias locais desrespeitam usuários e infringem a lei denuncia repórter procopense

anuncifacil.com.br

 

Segundo matéria postada no Blog Sem Censura do Repórter Odair Matias, os usuários de agências bancárias de Cornélio Procópio, quase que diariamente se deparam com um verdadeiro teste de paciência .   Principalmente na segundas-feiras, quando os clientes chegam ao absurdo de esperar mais de uma hora pelo atendimento nos caixas.

De acordo com Odair Matias, foi o que aconteceu no início da tarde de segunda-feira (20), na sucursal da agência do Banco do Brasil, conhecida como “Banco Popular”.  O repórter registrou a insatisfação de vários clientes que reclamaram através de entrevista sobre a demora.  

Os reclamantes deixaram claro na entrevista que não é prerrogativa desta, ou de outra agência bancária, mas trata-se de um ilícito coletivo, pois ninguém está respeitando a lei municipal, nº 313/07 de 06/09/2007, que dispõe sobre o tempo máximo de espera em filas no comércio da cidade . 

Esta prevê um tempo máximo de espera igual há 15 minutos em dias normais e 30 minutos em dias de véspera de feriado prolongado, ou no dia imediatamente posterior a ele. 

Outra irregularidade comentada pelos entrevistados, foi à falta de um registro adequado de senhas com informações referentes aos horários e as datas da chegada dos usuários nas filas dos bancos. 

A irregularidade vem sendo cometida, praticamente por todas as agências da cidade, o que acaba dificultando a oportunidade do usuário de recorrer à justiça, para requerer seus direitos.

A lei estadual 13400/2001 reza clara e abertamente sobre a infração no art.02 parágrafo único: “O atendimento a todos os usuários bancários deverá ser realizado mediante o sistema de uso de senha numérica, a qual deverá indicar, obrigatoriamente, a data do atendimento, bem como horário de chegada do cliente na agência. (Incluído pela lei 14956 de 19/12/2005.)”

Enquanto isto, os procopenses esperam em vão desde o ano passado as providencias do Procon, órgão que deveria agir em defesa do consumidor em Cornélio.  Este ainda aguarda pela criação do FMDS – Fundo Municipal de Defesa do Consumidor, que deveria recolher os valores das multas aplicadas aos infratores. 

As informações dão conta, que no início deste ano foi criado o Conselho Municipal de Defesa do Consumidor que tem como presidente o advogado Vagner Romão. O Conselho estuda os tramites para a legalização do FMDS.

Através das informações colhidas para a matéria, Odair Matias percebeu que o desrespeito evidenciado nas ações das agências, independem da vontade de seus gerentes e principalmente dos atendentes nos caixas. Pelo contrário, são tão prejudicados quanto os usuários que às vezes perdem um dia inteiro nas filas para encher de dinheiro os cofres destas instituições já milionárias.

O desrespeito para variar vêm de cima, dos diretores destes conglomerados, que agem como verdadeiras máquinas, não se importando com mais nada além do lucro.

O desrespeito para com clientes passam das fronteiras das agência bancárias em Cornélio Procópio, algumas lojas, inclusive pertencentes a grandes redes, se recusam a fazer a troca ou devolução de mercadorias com defeito, mesmo estando no prazo permitido em lei, além de oferecer péssimo atendimento, tratando os consumidores de forma leviana e prepotente.

Recentemente a Justiça de Fernandópolis no interior de São Paulo, condenou a agência Bradesco, a pagar R$ 5 mil de indenização ao pedreiro Anderson José Salmazo, morador de Estrela D’Oeste. A sentença é do Juizado Especial Cível.

Salmazo alegou que compareceu a agência bancária às 14:57 horas e só foi atendido às 16:16 horas, ficando na fila de espera por cerca de 01:19 hora.

Tal decisão só reforça que consumidores tem direitos e devem procurar o poder público para que esses sejam cumpridos por empresários gananciosos que pensam que estão acima da lei.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »