28/03/2012 às 14h04min - Atualizada em 28/03/2012 às 14h04min

Estelionatário aplicava golpes em descendentes de japoneses

preso

portal.cruzeirodosul.inf.br

O estelionatário preso em flagrante no momento que recebia dinheiro de um aposentado tem uma extensa lista de antecedentes criminais. Nivaldo de Souza Andrade, 50 anos, era especializado em aplicar golpes em famílias de descendentes de japoneses. Por isso, o delegado Acácio Aparecido Leite, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, acredita que pode ter feito mais vítimas em municípios de forte migração japonesa, como Araçatuba, Bastos, Tupã, e Ibiúna.

Nivaldo tem 50 passagens pela polícia, todas elas por estelionato. A lista mede 24 metros de comprimento e precisou ser estendida no pátio interno da delegacia. Ele foi preso na avenida Ipanema, em Sorocaba, na segunda-feira. Nivaldo pesquisou a vida de um comerciante aposentado de 63 anos, descendente de japoneses, e soube que ele tem um irmão morando no Japão, explicou o delegado. 


O estelionatário ligou para o aposentado e disse que o irmão sofreu um acidente e que precisava com urgência de R$ 32 mil para pagar despesas e voltar ao Brasil. Nivaldo se passou por funcionário do consulado e dizia no telefone palavras em japonês, como "okane", que significa dinheiro, mostrando conhecimento do idioma. Segundo Leite, Nivaldo tem experiência nesse tipo de golpe e era bastante persuasivo nas conversas ao telefone. 

O aposentado teve dificuldade para contatar o irmão e foi envolvido pela história inventada pelo estelionatário. O primeiro telefonema ocorreu na sexta-feira. A vítima dispunha de R$ 6 mil e entregou a Nivaldo num ponto perto de sua casa. Faltavam os R$ 26 mil e o aposentado desconfiou: avisou a empresa de viagem, que comunicou à Polícia Civil. A partir daí, investigadores acompanharam o que seria a entrega do restante do dinheiro. 

Na segunda à tarde, por volta das 13h30, um taxista foi à casa do aposentado e pegou uma sacola com roupas, remédios e um envelope, como combinado anteriormente entre o estelionatário e a vítima. No envelope porém não havia dinheiro. Policiais da DIG pararam o taxista e ele contou que havia sido contratado somente para pegar uma encomenda. Disse que iria entregar a sacola na avenida Ipanema. 

Nivaldo estava perto do lugar marcado, num Astra com placa de Guarulhos, e foi preso em flagrante. O taxista e o aposentado o reconheceram. Além disso, o taxista tinha um bilhete com nome e endereço da vítima, escrito provavelmente por Nivaldo e que será submetido a exame grafotécnico (comparação da forma das letras). 

O delegado ressalta que a cultura japonesa tem a peculiaridade de evitar levar à polícia denúncias de crimes, que muitas vezes ficam restritos à família ou à comunidade. O acusado, no entanto, pode ter praticado mais golpes em descendentes de japoneses de outras regiões de São Paulo. Eventuais vítimas devem ligar para a Polícia Civil (197) ou diretamente para a DIG: (15) 3224-1595.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »