10/01/2012 às 16h00min - Atualizada em 10/01/2012 às 16h04min

Internauta questiona as instalações de quebra-molas em Cornélio Procópio

radiocornelio@uol.com.br

Em um e-mail enviado a central de Jornalismo da Rádio Cornélio, o internauta Diogo, questiona as instalações de quebra molas em Cornélio Procópio.

Veja na íntegra o e-mail enviado.

Os quebra-molas estão sendo colocados sem qualquer critério, por isso em C.P temos um número excessivo de quebra-molas, o que contradiz o Código Brasileiro de Trânsito. A sinalização é péssima, os quebra-molas não obedecem ao padrão, e têm muitos, tamanhos e formas absurdas, quase um muro, e muitas vezes só descobrimos que existe um quando já está passando por cima, destruindo seu carro e colocando sua vida em risco. É, porque os policiais e autoridades sabem que os quebra-molas estão irregulares, mas não fazem nada para torná-los regulares.

A resolução de nº 39 de 1998, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), considera que a implantação das ondulações transversais só deve acontecer após estudo de outras alternativas de engenharia de tráfego e quando estas alternativas se mostrarem ineficazes para redução de velocidade e acidentes. Na verdade, se o município fosse aplicar a lei, muitos quebra-molas teriam que ser retirados. Para mim, a construção de tanto quebra-mola deve ser para atender ao interesse de alguém, porque não justifica a quantidade destes dispositivos espalhados pela cidade.

Existem dois tipos de ondulações transversais previstas na legislação de trânsito brasileira. Uma deve ter comprimento de1,50 me altura de até8 cm, e a outra pode chegar a3,7 mde comprimento e 10cm de altura. Ambas devem ter largura igual à pista, mantendo-se as condições de drenagem superficial. Os quebra-molas devem estar distantes 15m de esquinas ou curvas e não podem ser implantados em vias utilizadas por transporte coletivo ou onde os limites de velocidade sejam superiores a 20km/h. Os redutores também não podem ser implantados em vias com aclividade superior a 6%.

OMISSÃO

Não tem como entender como as irregularidades das lombadas não são vistas em C.P., sempre estragando nossos veículos. O código inclusive fala em multa, independentemente das sanções cíveis e penais cabíveis, ao servidor público responsável pela inobservância de quaisquer das normas dos artigos 93, 94 e 95. Explicando mais claramente: alguém já deveria estar sendo multado, porque somente um cego não conseguiria ver tantas lombadas e tantos obstáculos criminosamente instalados nas vias públicas, colocando em risco a vida de tanta gente. Entretanto, as autoridades estão se omitindo de suas responsabilidades legais.

Lembramos que quando o motorista desobedece às normas de trânsito são punidos ( AQUIEM C.P. ISTO ACONTECE MUITO ) e acredito que as próprias autoridades de trânsito, que fazem de conta que as normas não existem, deveriam também ser punidas pela omissão. As leis de trânsito devem ser respeitadas pelo cidadão comum e, também, pelo poder público.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »